27 de maio de 2020 11:53

Alunos da UnATI superam desafios e estudam de forma remota

Com uma média de 72 anos de idade, idosos fazem atividades de língua estrangeira, memória, pintura e até ginástica durante a quarentena

Sebastião Figueiredo, aluno da UnATI, sentado ao computador onde tem tido aulas remotas
Cerca de 400 alunos, com uma média de idade de 72 anos, participantes da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI) estão dando continuidade às suas atividades de forma remota. As aulas foram retomadas na segunda quinzena de abril, via plataforma Microsoft Teams.

Com isso, os idosos têm feito normalmente seus cursos como Espanhol, Oficina da Memória, Ginástica, Pintura, Desenho, Informática e Coral. O desafio foi superado com paciência e dedicação dos alunos, juntamente com familiares e professores para ensiná-los a acessar a ferramenta e se adaptarem ao “novo normal”.

“Nesse período de pandemia, a UnATI tem desenvolvido um trabalho incrível com seus alunos promovendo a integração dos idosos com seus colegas e permitindo que eles continuem sua rotina de atividades mesmo distantes fisicamente. A tecnologia tem sido uma ferramenta especial para nos ajudar nessa missão com eles”, explica o Reitor da UnP, Prof. Dr. Breno Schumaher.

Aprendizagem social e intelectual

Segundo a Especialista em Neuropsicologia da UnP, Profa. Emannuelle Araújo, a aprendizagem continuada ajuda a melhorar a vida social e intelectual. “É muito bom ver que esses idosos, mesmo em período de isolamento, estão tendo a oportunidade de continuar suas atividades. Esse é um grupo que, devido aos riscos do coronavírus, ficará ainda em isolamento social por muito tempo, provavelmente, será o último a poder voltar às ruas”.

Com 92 anos, o aposentado Sebastião Figueiredo estuda Espanhol por webconferência desde abril quando as aulas foram retomadas na modalidade remota. “Estudava Espanhol de forma presencial desde o ano passado, mas tenho achado a aula pela internet até mais cômoda para os idosos”, avalia.

Quem também se desafia é a aposentada Miriam Padilha, 72 anos, que é aluna de Ginástica com Consciência Corporal. “Teria sentido muita falta de ter uma atividade física programada. E, mesmo on-line, a gente se prepara mentalmente para a aula, organiza o espaço para abrir a câmera, se arruma um pouquinho e encontra as colegas”.