9 de novembro de 2021 10:11

Professor do PPGB-UnP publica artigo em periódico internacional

Trabalho é do Prof. Dr. Ricardo Ney Cobucci

O professor Dr. Ricardo Ney Cobucci, docente do PPGB na UnP, em conjunto com pesquisadores dos programas de Pós-Graduação em Ciências Aplicadas a Saúde da Mulher e de Ciências em saúde da UFRN publicou em periódico internacional da editora Frontiers, artigo de protocolo de revisão sistemática que pretende avaliar a eficácia e segurança da laserterapia como tratamento da síndrome genitourinária da menopausa.

O termo “síndrome genitourinária” foi introduzido pela North American Menopause Society (NAMS) em 2014 e substituiu o termo atrofia vaginal no intuito de abranger todos os sintomas urogenitais provindos do hipoestrogenismo: secura, queimação e irritação; sintomas sexuais de falta de lubrificação, desconforto ou dor e função sexual prejudicada; e sintomas urinários de urgência, disúria e infecções recorrentes do trato urinário.

A síndrome genitourinária afeta mais da metade das mulheres na pós-menopausa e muitas na pré-menopausa que apresentem diminuição da ação estrogênica nos tecidos urogenitais, como por exemplo, o período pós-parto, de lactação ou durante o uso de medicamentos antiestrogênicos. Apesar do tratamento de primeira linha consistir em lubrificantes e hidratantes vaginais, na maioria das vezes não são suficientes para o alívio dos sintomas.

Desta forma, se torna necessário recorrer a hormônios tópicos ou, no caso de contraindicação ao uso de estrogênio ou preferência da paciente, a técnicas alternativas como o laser vaginal. Assim, a proposta de um protocolo de revisão sistemática para avaliar eficácia e segurança do laser como opção terapêutica para as mulheres acometidas com a síndrome é relevante, pois ainda há necessidade de se comprovar cientificamente que terapias são capazes de amenizar sintomas que diminuem a qualidade de vida das mulheres na menopausa.

O artigo pode ser lido na íntegra no link https://doi.org/10.3389/frph.2021.772690.